Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Palavras de Areia ®

Partilha de sentires, emoções, aferições, estados de alma e coisas banais. Pequenas histórias de ontem, de hoje e que se sonham para o amanhã. Poemas meus e desabafos de amor e de vida.

Palavras de Areia ®

Partilha de sentires, emoções, aferições, estados de alma e coisas banais. Pequenas histórias de ontem, de hoje e que se sonham para o amanhã. Poemas meus e desabafos de amor e de vida.

27.01.21

A Ilha na Rua dos Pássaros, Uri Orlev

27 de janeiro, Dia internacional em memória das vítimas do Holocausto

Maresia
Neste dia, em que devemos honrar a memória das vítimas do Holocausto, relembro um livro que me marcou... A Ilha na Rua dos Pássaros, de Uri Orlev. A marcante história de Alex, uma destemida e incrível criança judia, em plena Segunda Guerra Mundial, que sozinha consegue sobreviver, refugiado nos escombros do bairro judaico, aguardando sempre com esperança o regresso do seu pai. E a sua coragem, sofrimento e perseverança são emocionantes. Um retrato emblemático do clima de guerra, (...)
26.01.21

Cegueira em flor

Maresia
Frondosa beleza, ofusca meus passos. Ingénua amorosa, saltando ribeiros. Molhados os pés, molhados os olhos. Cegueira florida, dormente no peito. Tremura de frio, de vento, de só. Sonhadora perdida, tomando a paisagem. Quebrada ao cansaço, quebrada ao amor. Cegueira florida, murchando no peito.  
24.01.21

Flor do campo

Maresia
Quero ser a pequena flor, A que pontua a paisagem, Que floresce do nada, No meio das ervas, Na berma da estrada. Flor do campo, Perfumada de espanto, Dançando ao vento, Inocente ao tempo, Visível aos sábios.  
23.01.21

Liberdade

Miguel Torga

Maresia
— Liberdade, que estais no céu... Rezava o padre-nosso que sabia, A pedir-te, humildemente, O pio de cada dia. Mas a tua bondade omnipotente Nem me ouvia. — Liberdade, que estais na terra... E a minha voz crescia De emoção. Mas um silêncio triste sepultava A fé que ressumava Da oração. Até que um dia, corajosamente, Olhei noutro sentido, e pude, deslumbrado, Saborear, enfim, O pão da minha fome. — Liberdade, que estais em mim, Santificado seja o vosso nome.    Miguel (...)
18.01.21

Na dança do vento

Maresia
Sentada no tear da vida, Teci meu pano, fiado com sorrisos. De algodão branco de paz. Debruei-o com fios de ouro, De sonhos azuis céu. Bordei meu nome a verde esperança, Meu coração vermelho sangue. Lenço de amor, guardado ao peito, Enxuga minhas lágrimas, Dançando, esvoaça-as ao vento, E leva com elas os beijos, Que guardei em mim, Perdidos no tempo.    
14.01.21

A minha Epopeia

Caminho de Santiago

Maresia
O Caminho de Santiago foi para mim uma experiência inigualável, uma epopeia de vida. E, tal como a de Camões, foi dotada de grandeza, solenidade e heroísmo. E nela cantei os meus 40 anos de vida e os Homens e Mulheres ilustres que a preencheram de afeto e ensinamentos. A minha Proposição, uma vivência única, um teste psicológico e de superação física, alcançada no momento que vislumbrei a Praza do Obradoiro e percorri aquele tapete de pedras a olhar a monumentalidade da (...)
12.01.21

Dream (in) a poem

Maresia
Our love… roller coaster. Hot, breezy, dusty, rainy… Slavery of your mood. You hunt my dreams, You rule my senses. Chained to your mouth Tasting like hot mango… Our kiss, an explosion, A fusion of flavours, desires. Profound feeling, Profound pleasure Delving into our souls, Heavily, deeply into our skin.    
09.01.21

Medusa de mim

Maresia
Nas ondas dos meus cabelos, Vivem meus sonhos, clamores. Nelas perco o pensamento, Enleio fantasias, quentes desejos, Escondo tontos sorrisos, trejeitos. E teço minhas tranças de histórias. Nas ondas dos meus cabelos, Repousam meus segredos, anseios. Delas penteio a tristeza, Desembaraço os nós da minha dor, Enfeito-as, fios de cor, fitas de amor. E enlaço meus poemas, só meus.  
07.01.21

Perdida

Maresia
Cai sobre mim um nevoeiro, Entorpece os sentidos. Aglutina a alma, Espicaça o corpo. Na sombra, desfoco a realidade. Já não a sinto minha, Em minhas mãos, no meu toque. Voei daí para aqui, Vejo-me de fora, aérea. Planando sobre os meus dias, Perdida nas minhas horas. Não antevejo, não sei. Perdida num limbo, Entorpecida pela dor, sem sentido. Envolta de escuridão, de amor, Que já nem sinto meu. Alma una, solitária, Estendo minhas mãos vazias. Devolvo abraços de mágoa. As (...)
05.01.21

O Meu Caminho de Santiago - Há um ano...

As primeiras páginas dos primeiros passos de uma aventura inesquecível.

Maresia
Um dia, descobri o Caminho de Santiago. Espreitei-o, sorri-lhe e guardei-o num cantinho de mim como algo inspirador. Anos mais tarde, redescobri-o ou melhor, ele foi-me espreitando, cutucando, aqui e ali, e um dia, percebi que era este o desafio, o alento, o sonho mais breve que eu queria, que eu precisava desesperadamente de concretizar. Eu, só eu e o Meu Caminho. E assim, respirei fundo, acrescentei uns quilómetros às minhas caminhadas diárias e em poucas semanas estava delineado o (...)
31.12.20

Ano Novo Mágico...

Receita de Ano Novo, Carlos Drummond de Andrade

Maresia
Para você ganhar belíssimo Ano Novo cor do arco-íris, ou da cor da sua paz, Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido (mal vivido talvez ou sem sentido) para você ganhar um ano não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; novo até no coração das coisas menos percebidas (a começar pelo seu interior) novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, mas com ele se come, se passeia, se ama, se compreende, se trabalha, voc (...)
18.12.20

Natal, e não Dezembro, David Mourão-Ferreira

Um Feliz Natal, de mãos dadas.

Maresia
Entremos, apressados, friorentos, numa gruta, no bojo de um navio, num presépio, num prédio, num presídio, no prédio que amanhã for demolido... Entremos, inseguros, mas entremos. Entremos, e depressa, em qualquer sítio, porque esta noite chama-se Dezembro, porque sofremos, porque temos frio. Entremos, dois a dois: somos duzentos, duzentos mil, doze milhões de nada. Procuremos o rastro de uma casa, a cave, a gruta, o sulco de uma nave... Entremos, despojados, mas entremos. Das (...)
15.12.20

Meu fogo

Maresia
Olhámo-nos. Fundo e profundo. Penetrei o teu ser, minha íris. Rasguei a tua pele, meus dedos. Devorei teus lábios, minha boca. Tomaste-me em teus braços, crus... Pendurada no teu dorso, Perdida no teu cheiro, Presa no teu sabor. Elevados pelo fogo... Fundimo-nos. Fundo e profundo.  
10.12.20

Forteleveza

Maresia
Erguerei as muralhas, Memória sobre memória, Conquista sobre conquista, Sonho sobre sonho. Nelas encerrarei meu tempo, Meu ser, meu crer. Elevarei aos céus na minha torre, Soprarei ao vento os meus segredos. Guardarei meu sangue, Minha fortuna de sentires, Meus passos, marcados nas pedras. Fechar-me-ei, escudada... Perto do firmamento, assente na terra, Perdida em mim, no horizonte sem fim.  
05.12.20

Pela Vida

Maresia
Há portas que se fecham Para nos trancarem cá fora, Para nos arejarem. É tempo de renovar, De descobrir novos caminhos, De procurar outras entradas e saídas, De termos a coragem de rodar a chave de outros mundos, De esventrar do corpo a força, da alma a coragem, De sentir a destreza e luz que nos invadem. Hora de rebentar cadeados, soltar ferrolhos e correntes, Para que possamos ver o mundo, Para que ele nos veja... É tempo de renascer, De abrir outras portas, De soarem os sons de (...)