Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Palavras de Areia

Partilha de sentires, emoções, aferições, estados de alma e coisas banais. Pequenas histórias de ontem, de hoje e que se sonham para o amanhã.

Palavras de Areia

Partilha de sentires, emoções, aferições, estados de alma e coisas banais. Pequenas histórias de ontem, de hoje e que se sonham para o amanhã.

02.12.19

Em mim


Maresia

Sou infinitude.
Não me descortino o fim,
perco-me em mim,
num templo de sonhos,
pensamentos, criações arreadas.
Abstraio-me do mundo.
No meu não há tempo,
nem horas, nem mortes.
Há dias que sou medieval,
de vestido, couro e escaramuça,
criança levada pela mão do avô,
ou abraço da semana findada reinventado.
Noutros, recrio beijos para darmos amanhã,
alinhavo viagens, percorro as estradas que me esperam,
morro nos meus braços.
Que ventos me percorrem a toda a hora...
Instantes que me beliscam,
como o Coelho a desinquietar a Alice.
Já vou, sabem que sim!
Nesse baloiço é que descanso,
me deixo dormitar no sonho.
(o nem sei o que ia fazer, a direção que se perde, a pergunta que não ouvi, as torradas que se queimam...)
Não estou na lua. Essa olho-a com a intensidade com que ela me encanta.
Estou em mim. Perdida na imensidão de mim.
Que não cabe em ti, nem caberá em ninguém.
Sou demasiado sentir, palavras, amor, verdade.
Transbordo.

20191015_183150.jpg

 

2 comentários

Comentar post