Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Palavras de Areia

Partilha de sentires, emoções, aferições, estados de alma e coisas banais. Pequenas histórias de ontem, de hoje e que se sonham para o amanhã.

Palavras de Areia

Partilha de sentires, emoções, aferições, estados de alma e coisas banais. Pequenas histórias de ontem, de hoje e que se sonham para o amanhã.

20.03.19

Vencer o cansaço: respirar, equilibrar e relaxar

Maresia
Na impossibilidade de encurtarmos as semanas e as horas diárias de trabalho e atividade, fica difícil equilibrar o bem estar e, muitas vezes, o bom senso. Sentimo-nos formigas tarefeiras, a correr atrás do tempo, a correr atrás de objetivos, a correr para alcançar mais uma "prova superada". E nos dias de hoje, deixem-me que vos diga, que isto são provas atrás de provas, dignas de uns verdadeiros jogos sem fronteiras para o descanso. Vivemos a vida ou um desafio às nossas (...)
21.11.18

Infinitamente

Maresia
Nasci pássaro para voar, Com os olhos nas nuvens. Tu, nasceste lobo, Sempre sobrevivendo, atento. Pulámos fogueiras diferentes, Seguimos por rios distintos. Razão e coração. Dia e noite que se tocam ao pôr do sol. Entrelaçados em queda livre. Não poderia ser diferente. Eu voo e tu és a força que me segura. O nosso mundo é infinito… que o seja de amor. Parabéns! Muitos anos de amor!
27.10.18

Greve, a que tanto obrigas...

Maresia
Greve, a que tanto obrigas o Estado? Ah! Não! A que tanto obrigas o povo, os portugueses. E sim, para quem ainda não percebeu, nem todos os portugueses são funcionários públicos. A realidade do privado, recibos verdes e conta própria é bem diferente. Todos somos iguais, mas só na biologia, não na democracia. Por exemplo, quando uma escola fecha, são as crianças e as suas famílias os mais prejudicados. E quando se regressa à escola, os programas curriculares são na mesma para (...)
11.10.18

Desabafo...O mundo é dos loucos

Maresia
O mundo é dos loucos, dos que devaneiam e deslumbram os outros (ditos sensatos) com as suas ideias delirantes. Que desespero temos em nós, que nos entregamos à ditadura, ao preconceito, à corrupção, às mentiras absurdas e descaradas de seres humanos endeusados pela sua insanidade? Qual a motivação para estas escolhas? Talvez, na verdade, todas opções sejam sacos cheios de ganância, mentiras e interesses, vazios de integridade, esperança e de mudança. Talvez, a identificação (...)