Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Palavras de Areia ®

Partilha de sentires, emoções, aferições, estados de alma e coisas banais. Pequenas histórias de ontem, de hoje e que se sonham para o amanhã. Poemas meus e desabafos de amor e de vida.

Palavras de Areia ®

Partilha de sentires, emoções, aferições, estados de alma e coisas banais. Pequenas histórias de ontem, de hoje e que se sonham para o amanhã. Poemas meus e desabafos de amor e de vida.

06.03.21

Em nome da Terra

A mágica transcendência da (minha) escrita

Maresia
Escrevo como quem invoca os elementos da Natureza, como quem inspira profundamente a Terra. Na busca de um sol, que me ilumine e aqueça o peito e as ideias, ofuscada pela beleza do que vê o meu coração e pelo brilho dos meus olhos soletrados em lágrimas de luz. Um fogo que me queime de sentires, alma e corpo incendiados. Na busca de um vento, que me leve daqui, para lá da linha do horizonte, rodopiando numa dança de correntes, de sopros inspiradores, que me trespassem de vidas. Um (...)
28.02.21

Eu sei, sinto...

Maresia
Saberá o vento limpo, o céu Que acendem, arrancam... Suspiros arrepiados, sorrisos Que brotam em mim, levados. Saberão as ervas altas, a terra Que seguram, acariciam... Ternuras felizes, lamentos Que me percorrem, dançando. Saberão as estrelas minhas, o sol Que iluminam, guiam... Sonhos amados, desejos Que me alimentam, vividos.  
23.02.21

Renascer

Maresia
Mesmo na penumbra, Vi em ti uma vida inteira, Nasceu em mim outro ser, Naquela hora. Não sei se acordei dum sono profundo, Ou se ali me entreguei a um sonho eterno. Sei que a cada vislumbre de ti, Em cada pétala dos teus gestos, Em cada semente, tuas palavras, Te tomei inteiro, Predestinado.  
21.02.21

O Amor às Palavras

Dia Internacional da Língua Materna

Maresia
A língua é um instrumento mágico e poderoso, que nos dá infinitas possibilidades. As palavras são moedas de ouro no nosso baú do saber. Com elas enriquecemos o nosso conhecimento, a nossa capacidade de comunicação, a nossa infinita capacidade de sonhar. Amo a nossa língua, o Português. Sou imensamente grata por ter tido a oportunidade de aprender, estudar, ler, escrever. De viver num mundo de livros e palavras. A leitura e a escrita são para mim essenciais. Um dia sem escrever, (...)
21.02.21

A porta

Maresia
Sentada no espaço vazio, na sua reconfortante cadeira de braços, esperava... a porta encostada, convidava uma brisa fresca de esperança a entrar, um fio de ouro e luz iluminava o dia e o sonho. O silêncio apenas era cortado por alarmes falsos de passos e vozes roucas que seguiam o seu destino. Esperou. O sonho fez-lhe companhia quase até ao fim. Mas depois... depois veio o inverno. A brisa revoltada, tornou-se inquieta, gelada e cortava-a na pele. Adoeceu. Os dias escureceram, o sol (...)
16.02.21

Inspiração Profunda

Maresia
Assim vou arejando a minha cela abafada, Abrindo as portadas... Com versos de brisa e luz. Inspirando profundamente as paisagens, Ritmadas pelo pulsar do coração. E aqueles sonhos que se vislumbram no horizonte... Serão salvos. Serão aguarelas na tela da minha janela, Serão sempre poesia a espreitar. A próxima imagem, A próxima rima, A próxima estrofe, A próxima inspiração... Profunda.  
07.02.21

Diário da floresta

Maresia
Contei o meu segredo às folhas, Segredei-lhes os medos, Gritei-lhes as alegrias. Folhas, folhas, folhas! Donas dos bosques, caminhos e margens, Sabei vós que aqui sou eterna. Mais uma de vós, que serpenteia ao vento, Que escuta nos poros esta melodiosa vida... O coro das árvores, dos riachos, dos bichos. Folhas, folhas, folhas! Recebei o meu poema de Vida, O meu presente dos céus. A minha árvore, Meus ramos, meus versos, Meu canto, Viver. Águas, águas, águas! Levai as mágoas, Min (...)
31.01.21

Conto d'Amor

As últimas badaladas

Maresia
A igreja anunciava as findas horas da noite. Há 30 anos que assim era. As badaladas a soarem como a voz de uma mãe que anuncia que é tempo de levantar e hora do descanso. Em casa, os seus dias eram ritmados por elas, sem nunca perderem o fio ao tempo ou então, como acontecia nos domingos preguiçosos, despertavam para a demora nos lençóis, quando enroscados um no outro contavam em uníssono silêncio as batidas no ferro, para descobrirem que tardaram no ninho, no amor. Artur e Inês, (...)
28.01.21

Respirar...

Maresia
Cabeça erguida, respirar fundo, olhar o céu. Deixar as fraquezas e tristezas percorrerem o corpo, senti-las no peito e a escorrer pela lágrima. Porque fraco e forte é aquele que tem um coração, que sente imensamente, que sabe que as feridas doem, que há dias que ser corajoso é sossegar num canto, que acredita no amanhã, que descansa na sombra, para quando raiarem as forças, sorrir e (...)
27.01.21

A Ilha na Rua dos Pássaros, Uri Orlev

27 de janeiro, Dia internacional em memória das vítimas do Holocausto

Maresia
Neste dia, em que devemos honrar a memória das vítimas do Holocausto, relembro um livro que me marcou... A Ilha na Rua dos Pássaros, de Uri Orlev. A marcante história de Alex, uma destemida e incrível criança judia, em plena Segunda Guerra Mundial, que sozinha consegue sobreviver, refugiado nos escombros do bairro judaico, aguardando sempre com esperança o regresso do seu pai. E a sua coragem, sofrimento e perseverança são emocionantes. Um retrato emblemático do clima de guerra, (...)
26.01.21

Cegueira em flor

Maresia
Frondosa beleza, ofusca meus passos. Ingénua amorosa, saltando ribeiros. Molhados os pés, molhados os olhos. Cegueira florida, dormente no peito. Tremura de frio, de vento, de só. Sonhadora perdida, tomando a paisagem. Quebrada ao cansaço, quebrada ao amor. Cegueira florida, murchando no peito.  
24.01.21

Flor do campo

Maresia
Quero ser a pequena flor, A que pontua a paisagem, Que floresce do nada, No meio das ervas, Na berma da estrada. Flor do campo, Perfumada de espanto, Dançando ao vento, Inocente ao tempo, Visível aos sábios.