Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Palavras de Areia

Partilha de sentires, emoções, aferições, estados de alma e coisas banais. Pequenas histórias de ontem, de hoje e que se sonham para o amanhã.

Palavras de Areia

Partilha de sentires, emoções, aferições, estados de alma e coisas banais. Pequenas histórias de ontem, de hoje e que se sonham para o amanhã.

25.01.20

Mãe, minha

Maresia
Na vida, vestida de Rosa, Que flor temerosa, De doce beleza. Partilhas as pétalas, Sacrificas as folhas. Segura em raízes de amor, És caule firme de mãe, Pólen mágico de avó, Fragrância leve e fresca. Mulher bondade, Moça bonita, Eterna criança. Mãe, minha.  
21.01.20

No meu caminho

Maresia
Entrei pelo nevoeiro, Acompanhei as ondas, Segui as nuvens... Pisei estrada, Pisei pedras, Pisei areia, Pisei gravilha Pisei folhas, Pisei lama, Pisei um mundo cheio. Carreguei o peso, Carreguei o medo, Carreguei a solidão, Carreguei a força, Carreguei o sonho, Carreguei a coragem, Carreguei o meu mundo inteiro. No meu caminho...  
30.12.19

Um Novo Ano de Felicidade

O meu Caminho

Maresia
Curiosamente, termino 2019 com a publicação do centésimo post das minhas Palavras de Areia... Cem textos... desabafos, declarações de amor, recriações, contos, poemas meus... aqueles que escolhi partilhar e dar de mim e que, um dia, ficarão para além da minha existência, para os meus, para quem os quiser acolher... No silêncio da escrita imprimo os gritos da alma, a agitação do peito, as músicas da vida. No silêncio da escrita, mergulho em mim, escuto os pensamentos em (...)
24.12.19

Ho!Ho!Ho! Feliz Natal!!!

Maresia
Já neva, o vento uiva baixinho, raios de sol rasgam o céu, por entre tufos de algodão. Entusiasmado, enfia as suas botas pretas, brilhantes de graxa, envolve-se no seu grande manto púrpura, não esquece o seu velho gorro de malha, tão seu como as suas longas barbas grisalhas, e apruma-se com o seu bem pesado saco de pele e cajado, a não largar nestes dias de manto branco, de tanto a fazer. E parte. A respiração não tarda em ficar ofegante e as pernas refilam perante o seu peso (...)
20.12.19

Guardado em mim

Maresia
Deixaste-me olhar-te, Beber as tuas palavras, Comer os teus beijos, Emanar o teu cheiro. Percorrer-te o pensamento Saber-te por perto. Saciaste-me... Saciei-te... No fim da estrada, Fica a sede, Fica a fome, Fica o sorriso, A doce lembrança, Que te vi adentro. Guardaste-me... Guardei-te...  
03.12.19

Gostas mais do pai ou da mãe?

Gosto de gente com um Coração Gigante

Maresia
Desde que criança que me intriga perguntarem-me se gosto mais deste ou daquele, se esta pessoa é mais ou menos, se tenho este ou aquele preferido. E tal como nunca tive só e apenas uma cor preferida, uma música preferida, um filme preferido, um livro preferido, pois cada coisa tem o seu contexto, o seu momento, a sua beleza, também não tenho pessoas preferidas. São algumas as que ocupam um lugar especial e não recorro a pódios. E quando fui mãe, ainda me chocou mais, questionarem (...)
02.12.19

Em mim

Maresia
Sou infinitude. Não me descortino o fim, perco-me em mim, num templo de sonhos, pensamentos, criações arreadas. Abstraio-me do mundo. No meu não há tempo, nem horas, nem mortes. Há dias que sou medieval, de vestido, couro e escaramuça, criança levada pela mão do avô, ou abraço da semana findada reinventado. Noutros, recrio beijos para darmos amanhã, alinhavo viagens, percorro as estradas que me esperam, morro nos meus braços. Que ventos me percorrem a toda a hora... Instant (...)
29.11.19

A Imperfeição do Amor, de Joaquim Mestre

Um Romance Imperfeito

Maresia
A Imperfeição do Amor é o segundo romance do autor Joaquim Mestre (1955-2009), que nos presenteou com uma escrita marcada pela originalidade e por uma ação labiríntica, que nos testa e nos encaminha a desfechos inusitados. Partindo de um mundo onírico, mergulhando numa bruma de presságios e fenómenos, nasce a nossa história e o nosso personagem principal, Quico Regueiro, numa zona portuária (...)
18.11.19

Pela mão da minha Mãe

Viagem no tempo à Aldeia

Maresia
Hoje, a minha mãe levou-me pela mão a passear na sua aldeia natal da Trindade, em Beja. Corriam os finais dos anos 50...por aí... Percorremos as ruas, espreitámos postigos e relembrámos rostos da sua infância. Na Travessa dos Mestres, visitámos a Avó Helena, que estava a fazer alguidares de massa e a fritar filhoses, já o Avô Helena bracejava de forma ágil no seu ofício e dizia à minha mãe, que de tanto o ver fazer, qualquer dia também ela faria sapatos. Na oficina da (...)
13.11.19

Quando o tempo para

Vale pelo amor

Maresia
O amor tem destas coisas. E sem pensamentos, sem julgamentos, sem amanhã, sem saberem como, beijaram-se, abraçaram-se, amaram-se. O tempo parou. Os beijos mordidos, o respirar, a loucura do sentir, de dentro para fora. Elevaram-se ao amor, saquearam-se ali mesmo, despidos de tudo e cheios de si mesmos. Tatearam-se numa descoberta de um mundo que já era deles, num toque vibrante, assolador, de dedos, de pele, de corpos que se copulam para gerarem energias. Enrolados como plantas, (...)
18.10.19

Enraizado

in Somos Mais do que Histórias - Desabafos de Amor, Cordel d´Prata

Maresia
Olhei-te sem te ver. Senti-te em mim. O teu esboço gravou-se na minha tela, Que espreito e me espreita aqui e ali. És árvore que abracei, na qual me sento. Respiro, gozo a sombra e a luz, Mas que não ouso subir, com receio, Do deslumbre da tua copa, do mundo que vislumbras no topo. Desejo percorrer-me em ti, Ser raiz que te prende em mim, Mas não ouso. Assim, vou aperfeiçoando o teu retrato, Enamorando-me pelos teus traços, Criando momentos imaginados, Em que te percorro, te cheiro. (...)
13.10.19

Quando o coração dispara...

Maresia
Recebeste-me nos teus braços, Nos teu barco, nas tuas marés. Ondulámos ao ritmo da pulsação... Entrelaçados numa dança, Acelarámos ao bater do coração... Mão na mão, Pele na pele, Boca na boca, Olho no olho, Alma na alma... Atracámos juntos, seguros, Exaustos, felizes. Sorrimos. Sorriste-me, sorri-te. E sorriremos sempre... À memória daquela viagem. Arrepiados, estremecidos. Pelo bom, pela saudade, Para sempre...
02.10.19

Breviário das Almas

Um Conto de Mestre

Maresia
Joaquim Mestre escreveu "Breviário das Almas", um título que me chega pelas mãos da sua aldeia natal, Trindade, concelho de Beja. Conto vencedor do Prémio Manuel da Fonseca 2008. De leitura breve, mas intensa. De se perder o fio à meada, este breviário de vidas, de amores, de desfechos intensos. Fantasticamente perturbador, que no seu finalmente nos sorri e conforta. Conto que nos remexe, nos (...)
30.09.19

Porque não me entendes...

in Somos Mais do que Histórias - Desabafos de Amor, Cordel d'Prata

Maresia
De mim arranquei o melhor, Renascido da lama onde afundei, Para te dar, partilhar, sentir. Mas tu não me vês, não me alcanças. Como perdida no nevoeiro. Não me escutas, não me entendes. Como gritos abafados no caos, Somos decibéis dissonantes. Universos paralelos, Que se encontram ao pôr do sol, Para logo se perderem de si... De ti.  Sou o que sou. Sem filtros, sem máscaras, sem dó. Digo o que sinto, o que penso, o que vejo. Sou um rio de águas límpidas, Que corre pelo leito (...)