Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Palavras de Areia

Partilha de sentires, emoções, aferições, estados de alma e coisas banais. Pequenas histórias de ontem, de hoje e que se sonham para o amanhã.

Palavras de Areia

Partilha de sentires, emoções, aferições, estados de alma e coisas banais. Pequenas histórias de ontem, de hoje e que se sonham para o amanhã.

21.02.20

Na colisão com as horas

Maresia
Na colisão com as horas, O tempo empurra mágoas, Apazigua saudades. Mas relembra a finitude, A corrida dos dias Apressados, varridos... Empurrões em frente, Que nos apagam chances A cada batida do coração. Do nada, Não te prendas, Senão à tua vontade. Não te enlaces, Senão ao teu amor próprio. Não te iludas, Senão com os teus sonhos. Não te percas. Senão no teu caminho. Respira a vida a cada segundo, Aproveita com amor cada minuto, Sorri e sê grata a todas as horas.  
30.12.19

Um Novo Ano de Felicidade

O meu Caminho

Maresia
Curiosamente, termino 2019 com a publicação do centésimo post das minhas Palavras de Areia... Cem textos... desabafos, declarações de amor, recriações, contos, poemas meus... aqueles que escolhi partilhar e dar de mim e que, um dia, ficarão para além da minha existência, para os meus, para quem os quiser acolher... No silêncio da escrita imprimo os gritos da alma, a agitação do peito, as músicas da vida. No silêncio da escrita, mergulho em mim, escuto os pensamentos em (...)
03.12.19

Gostas mais do pai ou da mãe?

Gosto de gente com um Coração Gigante

Maresia
Desde que criança que me intriga perguntarem-me se gosto mais deste ou daquele, se esta pessoa é mais ou menos, se tenho este ou aquele preferido. E tal como nunca tive só e apenas uma cor preferida, uma música preferida, um filme preferido, um livro preferido, pois cada coisa tem o seu contexto, o seu momento, a sua beleza, também não tenho pessoas preferidas. São algumas as que ocupam um lugar especial e não recorro a pódios. E quando fui mãe, ainda me chocou mais, questionarem (...)
02.12.19

Em mim

Maresia
Sou infinitude. Não me descortino o fim, perco-me em mim, num templo de sonhos, pensamentos, criações arreadas. Abstraio-me do mundo. No meu não há tempo, nem horas, nem mortes. Há dias que sou medieval, de vestido, couro e escaramuça, criança levada pela mão do avô, ou abraço da semana findada reinventado. Noutros, recrio beijos para darmos amanhã, alinhavo viagens, percorro as estradas que me esperam, morro nos meus braços. Que ventos me percorrem a toda a hora... Instant (...)
12.11.19

A infinita capacidade de amar

Perante mim me confesso

Maresia
Vamos fingir que estamos todos felizes, impecáveis nas nossas roupas individuais e familiares, retas, sem vincos de imoralidade. Preza-te pela honra, rege-te pelos olhos dos outros e verás onde isso te leva... Quantos não passaram por este mundo presos a grilhões de regras sociais e de pesos de consciência, advindos de séculos de palavra de Deus, escrita por homens pecadores como todos os outros? Quantos não viveram fechados no seu silêncio, em submissão e opressão, debaixo de (...)
26.07.19

40 anos depois

Maresia
Se me visses agora, Olhos nos olhos, Se me sorrisses, Certamente, correrias para os meus braços. Que saudades eu tenho de ti! E daqueles que então podias beijar. Não segui a estrada dos teus sonhos, Afinal, nem sempre encontrei campos verdejantes, nem pude visitar todos os castelos. Deixei-me encantar pelas quedas de água, pelas arribas, corri a olhar o nosso céu estrelado... E caí, caí muitas vezes. Levantei-me outras tantas. Os nossos longos dias foram-se (...)
20.03.19

Vencer o cansaço: respirar, equilibrar e relaxar

Maresia
Na impossibilidade de encurtarmos as semanas e as horas diárias de trabalho e atividade, fica difícil equilibrar o bem estar e, muitas vezes, o bom senso. Sentimo-nos formigas tarefeiras, a correr atrás do tempo, a correr atrás de objetivos, a correr para alcançar mais uma "prova superada". E nos dias de hoje, deixem-me que vos diga, que isto são provas atrás de provas, dignas de uns verdadeiros jogos sem fronteiras para o descanso. Vivemos a vida ou um desafio às nossas (...)
14.02.19

Sem Valentim

Maresia
Amaram-se sem perceber. Na indiferença, No olhar por trocar,  Nas palavras vagas. Já se traziam de outras vidas. Encontravam-se sem perceber. No pôr do sol,  No luar, Nos pensamentos. Olhavam o mesmo céu estrelado...  Perderam-se sem perceber.  Nos medos, Nas luzes artificiais,  Noutros amores. Soubessem eles a verdade.  E morreriam no beijo,  Se queimariam na pele, Entregariam as almas.  
24.09.18

(Re)escreve-te!

Maresia
Estás a olhar para onde? Para a loucura que há em mim? Sabes, também caberia em ti. Não gostas do que digo, nem tão pouco do que sou. Então, não me olhes tanto, Não me saibas desta maneira, Não venhas viver aqui. Deixa-te ficar com o que é teu. Vira-me as costas, borrifa-te para o que faço. Não espreites à minha janela, vai ver-te em vidro espelhado. Não me dês tanta importância, Se te causo tanta estranheza. Que desconforto o teu... Sabes, a vida é cheia de tudo e, (...)
07.09.18

Vitaminas contra as rotinas

Maresia
Há pouco tempo de regresso ao trabalho e as baterias já estão fracas ou então, o motor está com falta de arranque! O truque é tomar vitaminas, daquelas que ingerimos nas férias. A começar por tentar sorrir logo pela manhã e fazê-lo ao longo do dia. Tudo se torna mais leve e colorido. Pessimismo é o caminho perfeito para o desastre e para desaires. E não deixar de fazer coisas que nos são agradáveis. Os passeios na praia, as caminhadas (noturnas, se tiverem de ser), sentar a (...)